Postagem em destaque

SANTA MARIA VIRGEM: MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA

Patrona da Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo (Barnabitas). Solenidade (no sábado anterior ao III domingo de novembro). Depois...

Follow by Email

Inicio » » A Oração segundo Santo Antônio Maria Zaccaria

A Oração segundo Santo Antônio Maria Zaccaria

9 de novembro de 2018



"Meditar não é suficiente, meu querido; é necessário unir-se a Deus, elevar a mente, rezar e contemplar mais".
1.    Oração vocal: também chamada de oração exterior, é ordenada à oração mental. Não é fim a si mesma, mas subordinada ao interior. Assim o Santo disse: "Notem, porém, que a oração externa ou vocal foi feita para
o seguinte: animados pelo prazer e pelo sentido que ela traz possamos chegar, pelo menos no fim, a aprender a oração interior”.

2.    Oração mental:
2.1.) Natureza: a oração mental é precedida pela meditação, (Costituiçoes XII e XVIII), e leva à contemplação.
2.2) Divisão: nos Escritos do Santo encontramos três modos de dirigir-se a Deus:
2.2.1) Oração: praticamente consiste em um diálogo com Deus.
2.2.2) Petição: Uma das definições tradicionais da oração diz: "Petitio decentium a Deo - peço a Deus as coisas acessíveis" (João Damasceno, De fide orth, 3,24; cf. Summa Theologica, II II 83, 1.5.17).
2.2.3) Ação de Graças: é o clímax da oração. O Santo Fundador Assim se expressou: “Deste modo, finalmente, vocês poderão chegar àquela situação de oração que é resultado da intenção, da devoção e da experiência. E essa situação consiste em dar sempre graças a Deus”.

3. Pressupostos: Vamos ver alguns esforços considerados importantes pelo Santo.
3.1) O Santo coloca o silêncio nas condições da oração em primeiro lugar: “Ensine aos Noviços o silêncio e outros comportamentos exteriores, mas de acordo com a conveniência da Congregação, do tempo, do lugar e da oportunidade”.
3.2) Segunda condição é a leitura e meditação de coisas devotas: “se vocês querem chegar com facilidade à Oração mental, leiam
coisas devotas, pensem nelas e, em suas mentes, sintam prazer em ruminar coisas boas (cf. Sermão 3)”.

4) Horários: Santo Antônio indica o tempo que seus filhos terão que dedicar à oração.
4.1) Aos leigos: Dirigindo-se a Carlo Magni, dá estas orientações: "Portanto, se nós quisermos estar com Deus e, ao mesmo tempo, agir, falar, pensar, ler ou resolver problemas, o jeito é elevar, muitas vezes, os olhos de nossa mente a Deus, por pouco ou por muito tempo, tal como faríamos com um nosso amigo”.
4.2) Para os religiosos: As Constituições de 1579 estabelecerão meia hora pela manhã, com a possibilidade de uma extensão de uma hora, e uma meia hora à tarde, mais um quarto de hora para ser dedicada ao exame de consciência antes do descanso nocturno.

5) Frutos: O Fundador indica-os nas Constituições XVIII, dirigindo-se aos reformadores:
5.1) O efeito fundamental da oração é a iluminação interior de quem a pratica.
5.2) A divinização do homem: "Experimente, então, meu caro amigo, dialogar familiarmente com o Cristo Crucificado, por um espaço de tempo curto ou longo, conforme a oportunidade, como você faria comigo - e converse com Ele sobre suas coisas e também Lhe peça conselhos, sejam quais forem os assuntos: pessoais, materiais, seus ou dos outros".









Anterior Proxima Página inicial