Inicio » » A experiência do discipulado na Pastoral

A experiência do discipulado na Pastoral

31 de outubro de 2016

O presente artigo tem como objetivo demostrar as características fundamentais de um discipulado missionário de Jesus Cristo. Missionário, entendemos aqui, todo cristão batizado comprometido e que está disposto a colaborar com uma "Igreja em saída". Para atingirmos esse objetivo, queremos ter como fonte o Evangelho de Lucas e a Exortação Apostólica Evangelii Gaudium do Papa Francisco.
Em Lucas, tem três palavras chaves que resume a condição de ser discípulo de Jesus: ouvir, acolher, frutificar. Na Exortação do Papa Francisco tem cinco palavras chaves que resume o ser discípulo missionário dentro da Igreja: Primeirear, envolver-se, acompanhar, frutificar e festejar.
Na explicação da parábola da terra e das sementes, Jesus deixa claro que o seu seguidor necessita desenvolver as três atitudes básicas: "O que caiu em terra boa são aqueles que, ouvindo com um coração bom e generoso, conservam a Palavra e dão fruto pela perseverança" (Lc 8,15). Para Lucas, o discípulo e seguidor de Jesus, que acolhe a Palavra de Deus com fé, guarda e medita no coração, e a põe em prática, produzindo bons frutos é aquele que realmente faz uma experiência profunda com Deus.
Assim mesmo, o Papa Francisco disse: "A Igreja 'em saída' é a comunidade de discípulos missionários que 'primeireiam', que se envolvem, que acompanham, que frutificam e festejam" (EG 24). São atitudes que precisam ter em um cristão para ser discípulo e missionário de Jesus Cristo.
Primeira atitude: é sair na frente, ir à frente, tomar iniciativa, ser ousado, ser inovador. A segunda atitude: é se envolver. Estar próxima à pessoa e aos grupos, estar com eles e elas como irmãos e irmãs. Não como sábios, os doutores, ou os que têm o poder de ensinamento. A terceira atitude: é acompanhar. Os processos pastorais se fazem com acompanhamento, então, acompanhar faz com que a gente aprenda com o processo pastoral. A quarta: é frutificar. Porque quantas vezes acontecem a nossa prática eclesial, que a gente faz uma reunião cujo fruto principal é conduzir a outra reunião. Nós precisamos ter frutos, resultados. Esse resultado para o bem da Igreja e do mundo. E por último: festejar. Como é importante saborear as conquistas! Agradecer a Deus, agradecer as pessoas e culminar tudo isso com a celebração litúrgica da Eucaristia.
A experiência do discipulado na pastoral exige firmeza e perseverança além das atitudes supracitadas. O discípulo e missionário de Jesus Cristo deve ser um signo de integridade. Signo é compreendido como um sinal indicativo. Deve ser o exemplo para os olhos dos outros, o diferencial na comunidade.
Enfim, tanto o Evangelho de Lucas quanto a Exortação do Papa Francisco nos mostra o caminho a ser seguido para melhorar a nossa experiência pastoral.


Por: Carlos Eduardo e Isaac Segovia
Anterior Proxima Página inicial