Postagem em destaque

Profissão Solene do Ir. Lima

No dia 5 de Agosto final de semana passado o nosso caro Ir. Lima deu seu sim definitivo na sua profissão solene, ao passo que o terceiro do...

Follow by Email

Inicio » » BISPOS NORTE-AMERICANOS PEDEM AÇÃO URGENTE CONTRA ‘PECADO MORTAL’ DA PORNOGRAFIA

BISPOS NORTE-AMERICANOS PEDEM AÇÃO URGENTE CONTRA ‘PECADO MORTAL’ DA PORNOGRAFIA

2 de abril de 2016


Ainda que a produção e o consumo de material pornográfico sempre tenham sido um problema, tudo se agravou com o advento da Internet e das novas tecnologias, reconhecem os bispos. “Ao contrário de uma revista, a Internet não tem página final.”

Reunida em assembleia, a Conferência Episcopal dos Estados Unidos lançou, no último dia 17, um importante documento pastoral, condenando o mal da pornografia e chamando “todos os homens de boa vontade” a trabalhar por uma “cultura de pureza” e de respeito à sexualidade humana.

O título da declaração – Create in Me a Clean Heart – pega emprestadas as palavras do salmista: “Criai em mim um coração que seja puro” (Sl 50, 21).

Para o bispo da diocese de Buffalo, Nova Iorque, “a aprovação dessa declaração mostra a preocupação coletiva de todos os nossos irmãos bispos com o crescente problema da pornografia em nossa cultura”. Richard J. Malone (na foto) destacou que “muitas pessoas, inclusive dentro da Igreja, têm necessidade da abundante misericórdia e cura de Cristo”. “Minha esperança é de que a declaração possa servir de base e motivação para uma crescente atenção pastoral a esse desafio”, ele disse.

O documento contém uma catequese básica sobre a sexualidade humana e a castidade, explica por que são pecados a produção e o consumo de material pornográfico e mostra os efeitos devastadores que têm a pornografia na vida dos indivíduos, das famílias e de toda a sociedade. No fim da carta, os bispos ainda endereçam uma palavra de coragem e esperança a todos aqueles que têm sido machucados por essa cultura de degradação da sexualidade. Tudo com direito a abundantes notas de rodapé, com amplas citações do Magistério da Igreja e de abalizadas pesquisas conduzidas no campo científico.

Uma ferida dentro das famílias

Uma palavra especial é dirigida às famílias que sofrem com o consumo da pornografia por parte de um dos cônjuges. De acordo com muitos advogados, esse tem sido um fator chave para mais de metade dos casos de divórcio em que eles trabalham, sem falar das estatísticas que indicam que “cônjuges que usam pornografia são mais propensos a ter um caso extraconjugal”:

O uso de pornografia dentro do matrimônio deteriora severamente tanto a confiança quanto a intimidade dos esposos, seja por causa do próprio uso de pornografia, seja pela decepção e mentiras geralmente envolvidas em um cônjuge esconder a sua conduta do outro. (…) Esposos que descobrem o uso de pornografia de seu marido ou esposa frequentemente se sentirão traídos, e muitos experienciam um sentimento de trauma semelhante à desordem de estresse pós-traumática. (…) Contra a ideia comum de que a pornografia pode ser um auxílio à intimidade conjugal, o seu uso tende a diminuir a satisfação sexual e o interesse em sexo, podendo levar à impotência nos homens.”

Por fim, lamentando o fato de as crianças terem a sua inocência “roubada” pela indústria pornográfica, os bispos apelam aos pais para que protejam as suas casas. “Sejam vigilantes com a tecnologia que vocês deixam entrar em suas casas – diz a carta – e estejam atentos à prevalência de conteúdo sexual, mesmo no cinema e na TV mainstream, e à facilidade com que ele chega por meio da Internet e dos aparelhos móveis”. O pior inimigo, de fato, é aquele que se esconde dentro da sua própria casa.
Anterior Proxima Página inicial