Postagem em destaque

Profissão Solene do Ir. Lima

No dia 5 de Agosto final de semana passado o nosso caro Ir. Lima deu seu sim definitivo na sua profissão solene, ao passo que o terceiro do...

Follow by Email

Inicio » » Autor, data, fontes, destinatário do Evangelho de Lucas

Autor, data, fontes, destinatário do Evangelho de Lucas

28 de fevereiro de 2015

Os Evangelhos nada afirmam concretamente sobre seus autores “são composições anônimas escritas entre os anos 65-90, reunidas numa coleção, aproximadamente pelo ano 125” (AGUIRRE CARMONA, 2006, p. 17). Os autores se tornam conteúdos pela própria obra, porque ela deixa transparecer aquele que a conta.
Pelo estilo de literatura, percebe-se que Lucas é uma pessoa inteligente, que domina muito bem o grego, sua língua materna e, apesar de ser da diáspora, conhece a Escritura. Não deve ter vivido na Palestina porque nota-se com nitidez que não conhece bem a sua geografia; por exemplo, confunde a Judéia com a Galileia (cf. Lc 4,44; 7,17; 23,5).
Há especulações sobre quem seria o autor deste Terceiro Evangelho. Alguns o atribuem ao companheiro de viagem de Paulo “aquele Lucas de quem falam as cartas de Paulo (Cl 4,14; Fm 24; 2Tm4,11). A tradição antiga, desde Ireneu de Lião (Adv. Haer, III, 1,1; 14,1) até o fim do século II, não tem dúvidas a este respeito” (FABRI MAGGIONI 1992, p. 20, v.2).
Apesar de Lucas aparecer como o discípulo anônimo que relata nos Atos alguns episódios em primeira pessoa, durante a segunda e terceira viagens de Paulo (cf. At 16,10-17; 20—21,18; 27,1—28,16), a pesquisa bíblica atual não está segura de que Lucas tenha sido companheiro de viagem de Paulo. Pode ser que o autor dos Atos dos Apóstolos tenha escrito sua obra a partir de algumas informações sobre a viagem de Paulo (relatos de viagem), mas não necessariamente de um diário pessoal.
Para compor o seu escrito, Lucas provavelmente teve acesso a três fontes diferentes. A primeira é o texto de Marcos. A segunda é outra fonte comum a Mateus, denominada fonte Q, cuja reconstituição é hipotética, por meio de comparação entre Mateus e Lucas, eliminando o que é comum com Marcos. A terceira seria as fontes particulares que provavelmente eram das tradições orais e escritas dos círculos judeu-cristãos.
A data de composição do Evangelho de Lucas é estimada pelo ano 80 dC. A queda de Jerusalém é um dado que serve de referência para a datação. O discurso de Lucas sobre o fim (cf. Lc 21,20-38) contém indícios sobre o acontecimento da queda de Jerusalém. Ora, a distinção que Lucas faz entre o fim de Jerusalém e a vinda do filho do Homem coloca em favor de uma redação do discurso depois da queda da cidade. Desta forma, considerando o vínculo de Lucas e Marcos (escrito nos anos 70/75), como assim também o seu modo de se referir aos fatos do ano 70, pode indicar para o evangelho lucano uma data por volta dos anos 80/85
Destinatário. Tanto no Evangelho de Lucas (cf. Lc 1,3) quanto nos Atos dos Apóstolos (At 1,3) aparece claramente, no prólogo, o destinatário: Teófilo. Quem será esse Teófilo? Pode ser alguém importante que financiou a obra, como era costume na época; pode ser também alguma autoridade romana a quem Lucas quer apresentar Jesus e com isso defender os cristãos, ou pode ser simplesmente um nome simbólico, pois Teófilo significa amigo de Deus.
No entanto, lendo o Evangelho e os Atos dos Apóstolos, percebe-se que os verdadeiros destinatários são as comunidades cristãs espalhadas pelo Império Romano, ligadas ao mundo gentílico, possivelmente de origem paulina. São provavelmente comunidades urbanas e lugares no quais é forte o comércio, onde participam ricos e pobres. Observe que Lucas é o único que narra a conversão de Zaqueu, que era rico (cf. Lc19, 1-10) e aponta fortemente os perigos da riqueza.
“A posição de Lucas diante dos ricos e das riquezas, ajuda a compreender e a matizar sua posição diante dos pobres. Para ele, Jesus é inimigo da riqueza, mas é amigo dos ricos, igual a todos os homens, pois todos se encontram sob o pecado e estão necessitados de sua ajuda” (AGUIRRE; CARMONA, 2006, p. 320).
Observamos também que nestas comunidades há cristãos que se converteram, mas continuaram ligados às instituições do Império (cf. Lc 7,1-10). Parece que Lucas não quer criar problemas com o Império.
Além disso, nas comunidades que têm como característica a presença feminina, Lucas dá especial atenção às mulheres (cf. Lc 7,36-50). No Evangelho de Lucas e nos Atos dos Apóstolos, as mulheres são mencionadas mais do que nos demais autores do Novo Testamento: Jesus as cura, as defende. Jesus se sensibiliza muito com a viúva e com a pecadora.
Por:







Leia também os dois primeiros artigos da série “O Jesus misericordioso em Lucas”:


Anterior Proxima Página inicial