Postagem em destaque

SANTA MARIA VIRGEM: MÃE DA DIVINA PROVIDÊNCIA

Patrona da Ordem dos Clérigos Regulares de São Paulo (Barnabitas). Solenidade (no sábado anterior ao III domingo de novembro). Depois...

Follow by Email

Inicio » » Carta aos Colossenses

Carta aos Colossenses

7 de agosto de 2018


Carta aos Colossenses


O conteúdo
Esta carta é, antes de tudo, um escrito polêmico contra os que, em Colossas (cidade da Ásia Menor, não distante de Éfeso), questionavam a primazia de Cristo. Paulo reafirma a centralidade de Cristo, cabeça da criação e da Igreja, que ele adquiriu e voltou a reconciliar com o Pai pela sua imolação. Ao mesmo tempo, por ele, o apóstolo exorta os fiéis a uma vida coerente com a fé que professam. O esquema da carta pode ser o seguinte:



     Saudação (1,1-2)
     O reino de Cristo (1,3-2,23)
     Vida cristã (3,1-4,1)
     Recomendações, novidades e saudações (4,2-18)
Também podem se destacados como assuntos de maior relevância:
1. A pessoa e a obra de Cristo ( 1,15-23);
2. Advertências acerca das heresias e falsas doutrinas (2,8-23);
3. União do cristão com Cristo (Colossenses 3,1-4).


As características
Estamos diante do núcleo central da pregação de Paulo: Cristo está acima de tudo e de todos; por ele, Deus criou o universo, libertou os crentes de uma condição de escravidão e os, reuniu no corpo da Igreja (1,11-20). Na parte exortativa do texto emerge a novidade cristã, que se caracteriza pela oração e pelos sentimentos e gestos de sinceridade, paz, aceitação mútua (3,18-4,6). Interessante é a informação da troca de cartas paulinas entre as comunidades (4,6). Para os tópicos que ele lida, para a ordem das idéias, para linguagem e estilo, este escrito é muito próximo da carta aos Efésios.

A origem
O conteúdo e a linguagem são novos em comparação com as grandes cartas (Rm, 1-2Cor; Gal). Contudo, é necessário ter em mente a situação particular de Paulo, que pessoalmente não conhecia os cristãos de Colossos. Essa comunidade surgiu com a obra de Èpafra, que mais tarde revelou a Paulo suas apreensões sobre a ameaça dos falsos mestres (1,3-8; 2,16-23), que enfatizavam o culto e a mediação dos poderes angélicos, insistindo na importância de certas práticas ascéticas. A data da carta parece não colocar muito o ano 60.


Por: Cristóbal Ávalos Rojas










Anterior Proxima Página inicial