Postagem em destaque

ORDENAÇÃO PRESBITERAL

No dia 08 de Dezembro de 2017, Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, na comunidade Igreja Matriz Sagrada Família, Mococa – SP...

Follow by Email

Inicio » » ESTRUTURA DOS CAPÍTULOS 4-5 E 6-7 DE MIQUÉIAS

ESTRUTURA DOS CAPÍTULOS 4-5 E 6-7 DE MIQUÉIAS

6 de maio de 2017

Se os três capítulos anteriores debatiam sobre a justiça, os capítulos a seguir 4-5 focalizam o tema da salvação, esta série de oráculos é atribuída, em geral, a profetas diferentes e anônimos. Por isso o conteúdo destes oráculos limita-se a três pontos essenciais:
v  O primeiro consiste na contraposição entre o “o fim dos dias” (4,1) e o “agora” (4,9ss);
v  O segundo é o lugar de onde sairá à salvação: “E tu, Jerusalém” (4,8), “e tu, Belém” (5,1);
v  O terceiro é o conteúdo da salvação: “será” (5,4.6.7.9). Para os falsos profetas terá matiz nacionalista e cruel com os outros povos (5,4-5.7-8).
v  Mq diz (5,6) tratar-se de salvação sem violência, benéfica para todos e que os inimigos de Deus a serem eliminados não são as potências estrangeiras. Mas sim exércitos, fortalezas, adivinhos, falsas divindades (5,9-14).
A superação do castigo (caps. 4-5)
Ø  No futuro, não agora (4,1-14)
Ø  Não vem de Jerusalém (4,8), mas de Belém (5,1-3)
Ø  Não cruel, mas benéfica para todos (5,4-8)
Ø  Requer a purificação (5,9-14)
O capitulo (6) nos situa no âmbito de processo. Aonde o povo só vê um modo de se aproximar de Deus: através do culto (6,6-7), mas Miquéias os lembra que o único caminho, o mais antigo e o mais importante é aquele que passa pela justiça e fidelidade. No capitulo (7, 1-7) Miquéias afirma nesta lamentação que ninguém pode confiar em ninguém, sequer nas pessoas mais íntimas.
O julgamento de Deus (caps. 6-7)
Ø  Convocatória e acusação de ingratidão (6,1-5)
Ø  Rejeição do culto e exigência de justiça e fidelidade (6,8-9)
Ø  Não há justiça (6,9b -16)
Ø  Não há fidelidade (7,1-7)
Ø  Aceitação do castigo divino, reconhecimento do pecado e certeza do perdão (7,7-20)
O problema da autenticidade
 Bem mais complicado do que os capítulos anteriores (2-3), é o problema dos caps. 4-5. Pois alguns estudiosos recusam-lhes toda relação com Miquéias (Robinson, Pfeiffer,Sellim e Fohrer). Outros atribuem ao profeta só alguns oráculos: 4,9-14; 5,1-5.9-13 (Nowack); 4,11; 4,14; 5,4a - 5b; 5,9-13 (Deissler); 4,9-14; 5,1-5.9-13 (Weiser); 5,9-14 (Eissfeldt).
A base desta recusa quase unânime da autenticidade está ligada a quatro pontos: a) Miquéias é conhecido pela tradição do século seguinte como profeta de castigo, não de salvação (cf. Jr 26,18); b) Há nestes capítulos referências evidentes ao exílio; c) Menciona-se expressamente Babilônia em 4,10; d) Os textos messiânicos são todos pós-exílicos.
O problema mais sério com respeito à autenticidade o levanta o poema do monte (4,1-4), que aparece igualmente em Is 2,2-4. A qual dos dois profetas pertence? Uns atribuem a Isaías; outros a Miquéias; outros a autor anônimo anterior a ambos os profetas; outros ainda, a autor posterior, que teria inserido o seu poema em ambos os livros.
Estes caps. 4-5 segundo os estudiosos é muito rico e coerente para ser atribuídos a um profeta camponês, preocupado pelas injustiças sociais. Nos caps. 6-7 as opiniões também diferem muito: Eissfeldt considera possível que sejam do Miquéias judaíta. Van der Woude os atribui a poeta anônimo israelita.  Numerosos críticos distinguem entre 6,1-7,7 (datado nos períodos mais diversos) e 7,8-20. No que diz respeito a estes últimos vv do capítulo 7 numerosos autores julgam, que teria sido composto por motivo da queda da Samaria.
POR: Professo Carlos Eduardo











 




Anterior Proxima Página inicial