Postagem em destaque

ORDENAÇÃO PRESBITERAL

No dia 08 de Dezembro de 2017, Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, na comunidade Igreja Matriz Sagrada Família, Mococa – SP...

Follow by Email

Inicio » » A Igreja é o Evangelho, não caminho de ideias, diz Papa

A Igreja é o Evangelho, não caminho de ideias, diz Papa

19 de novembro de 2016

Por ocasião do fim do Ano da Misericórdia, Papa concedeu entrevista ao jornal italiano Avvenire
O Papa Francisco concedeu uma entrevista ao jornal italiano Avvenire por ocasião do encerramento do Jubileu da Misericórdia. Publicada nesta sexta-feira, 18, a entrevista aborda, além do Jubileu, o tema do ecumenismo.
A Igreja é o Evangelho, não “um caminho de ideias” e um “instrumento” para afirmá-las, nem um “time de futebol” que busca torcedores. É a obra de Cristo que leva a servir os pobres, que são a sua carne, disse o Papa Francisco, que exortou a caminhar junto na via do ecumenismo.
A unidade dos cristãos se faz em três caminhos, indicou Francisco: caminhar junto com as obras de caridade, rezar junto e reconhecer a confissão comum e o martírio recebido em nome de Cristo, no chamado “ecumenismo de sangue”. O Santo Padre fala de um caminho que vem de longe, amadurecido pelo Concílio Vaticano II e pelo trabalho dos seus predecessores, e que ele não acelerou nada, simplesmente se deixou guiar pelo Espírito Santo. Ele também declarou que não lhe tira o sono quem pensa que nos encontros ecumênicos se deseja “liquidar” a doutrina católica.
Francisco reiterou que a Igreja cresce por atração e não por proselitismo. E quando prevalece a tentação de construir uma Igreja “autorreferencial” em vez de olhar para Cristo, surgem contraposições e divisões. A Igreja não tem luz própria, explicou o Papa, existe somente como instrumento para comunicar aos homens o desígnio misericordioso de Deus.
Discernir no fluxo da vida
No Concílio, continua o Papa na entrevista, a Igreja sentiu a responsabilidade de estar no mundo como sinal vivo do amor do Pai, voltando à fonte da sua natureza, o Evangelho. Isso move o eixo da concepção cristã de um certo legalismo, que pode ser ideológico, à Pessoa de Deus que se fez misericórdia na encarnação do Filho. Alguns – disse ao pensar em certas réplicas à exortação apostólica Amoris laetitia – continuam a não compreender, ou branco ou preto, mesmo que seja no fluxo da vida que se deva discernir.
O Jubileu da Misericórdia
Com o Ano Santo da Misericórdia, que está para terminar, o Papa espera que muitas pessoas tenham descoberto ser muito amadas pelo Senhor, recordando que o amor de Deus e o amor pelo próximo são inseparáveis. “Servir os pobres”, explicou Francisco, quer dizer servir Cristo, porque os pobres são a carne de Cristo.
O Santo Padre disse que não vê os recentes encontros ecumênicos como um fruto exclusivo do Jubileu, mas foram passos a mais em um caminho iniciado há muito tempo, há cinquenta anos, quando o espírito do Concílio Vaticano II fez redescobrir a fraternidade cristã baseada num único Batismo e na mesma fé em Cristo.
Os encontros ecumênicos
Os encontros e as viagens, assegura, ajudam nessa direção. O Papa recordou, por exemplo, a viagem a Lesbos com o Patriarca Ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, e com o arcebispo de Atenas e de toda a Grécia, Jerônimo.
Ele também mencionou a profunda sintonia espiritual experimentada no encontro com o Patriarca Elias na Geórgia e os momentos com os Patriarcas copto Tawadros e Daniel da Romênia. E vê no Patriarca de Moscou e de toda a Rússia, Kirill, um “homem de oração”.
Com os irmãos ortodoxos, prossegue, “estamos em caminho, somos irmãos, nos amamos, nos preocupamos juntos”. No encontro em Lund, com os luteranos, por ocasião dos 500 anos da Reforma Protestante, o Papa evidenciou que repetiu as palavras de Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”. Segundo Francisco, essa visita à Suécia foi um passo adiante para fazer compreender o escândalo da divisão, que é superado com gestos de unidade e de fraternidade.


Anterior Proxima Página inicial