Postagem em destaque

ORDENAÇÃO PRESBITERAL

No dia 08 de Dezembro de 2017, Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, na comunidade Igreja Matriz Sagrada Família, Mococa – SP...

Follow by Email

Inicio » » Sínodo reunido novamente

Sínodo reunido novamente

1 de outubro de 2015

No domingo, 4 de outubro, o Papa Francisco celebrará a abertura da 14ª Assembleia ordinária do Sínodo dos Bispos. Convido o leitor a me acompanhar, neste artigo, para clarear algumas ideias sobre o Sínodo e para acompanhar com mais proveito os trabalhos dessa importante reunião eclesial.
Afinal, o que é o Sínodo dos Bispos? É um grande organismo da Igreja Católica, instituído há 50 anos pelo Papa Paulo VI, no final do Concílio Vaticano II. O Sínodo devia continuar, de alguma forma, a bela experiência de comunhão e participação de todos os bispos, com o Papa, na responsabilidade pela vida e a missão da Igreja toda. Paulo VI dispôs que o Sínodo retomasse, de tempos em tempos, os grandes temas do Concílio e atualizasse suas reflexões; assim, o próprio Papa daria novas orientações sobre esses temas, contando com a participação do episcopado do mundo inteiro.
Um Concílio não poderia ser facilmente reunido a cada poucos anos, pois precisaria reunir os bispos do mundo inteiro; mas um Sínodo, com menos participantes, pode ser reunido com certa frequência, para refletir sobre as grandes questões que interessam a vida e a missão da Igreja. O Sínodo tem assembleias ordinárias a cada 3 anos; de vez em quando, acontece alguma assembleia extraordinária, como no ano passado (2014).
O Sínodo é um organismo consultivo, a não ser que o Papa lhe conceda competência decisória em alguma matéria específica. As assembleias do Sínodo recolhem uma ampla reflexão e oferecem indicações ao Papa sobre os temas em pauta. O Sucessor de Pedro, depois, emite um documento, chamado “Exortação Apostólica Pós-Sinodal”; nele, o Papa se baseia nas reflexões do Sínodo; mas pode ir além delas, com sua reflexão pessoal, dando diretrizes e normas para a vida da Igreja em referência à questão tratada.
Participam das assembleias do Sínodo, geralmente, mais de 300 pessoas, sobretudo bispos, representando as Conferências Episcopais de todo o mundo e escolhidos por seus pares para representá-los. Mas um certo número de bispos participantes também são escolhidos pelo próprio Papa, conforme previsto no Regulamento do Sínodo. Além dos bispos, há outras pessoas convidadas, de acordo com o tema; há sempre vários teólogos, peritos no tema, e também convidados de Igrejas cristãs não-católicas.
A assembleia do Sínodo é convocada e presidida pelo Papa; ele, no entanto, não coordena pessoalmente os trabalhos, mas confia esta tarefa a presidentes delegados, que serão 4 nesta 14ª. Assembleia; entre eles, também estará o Cardeal de Aparecida, Dom Raymundo Damasceno Assis. Papel importante desempenham na assembleia o Relator do Sínodo e o Secretário Especial. O Papa está presente em quase todas as reuniões, que acontecem durante 3 semanas, pela manhã e à tarde. Mas ele ouve muito e fala pouco; geralmente, só fala brevemente na abertura e na conclusão. O Papa convoca o Sínodo, justamente, para ouvir a Igreja, através dos participantes da assembleia sinodal. Depois, ele fala através da Exortação Apostólica pós-sinodal.
Durante as três semanas de assembleia, os participantes apresentam suas reflexões, em breves falas, que também entregam por escrito; todos fazem o exercício da escuta, que pode ser cansativa mas é muito enriquecedora. Em seguida, há o momento de trabalhos em grupo, de acordo com as 5 línguas usadas na assembleia (italiano, inglês, francês, alemão e espanhol); os grupos têm a tarefa de recolher as reflexões mais destacadas e convergentes; e também de oferecer indicações para possíveis encaminhamentos práticos, a partir dos consensos que vão sendo formados. A missão do Sínodo, de fato, é a busca da comunhão e de caminhos comuns para a vida e a missão da Igreja.
O tema da 14ª assembleia ordinária do Sínodo dos Bispos é, novamente, a família: “vocação e missão da família na Igreja e no mundo contemporâneo”. A Igreja considera que a família merece um lugar destacado nas preocupações dela mesma, mas também dos governos e responsáveis pela vida dos povos. Resta agora acompanhar a assembleia do Sínodo e, depois, acolher as orientações que o Papa Francisco dará a toda a Igreja e à humanidade sobre este tema.
Cardeal Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo (SP)

Fonte: cnbb.org.br
Anterior Proxima Página inicial