Inicio » » Juventude, realidade e esperança

Juventude, realidade e esperança

26 de outubro de 2015

Celebramos neste domingo o 30º Dia Nacional da Juventude, que este ano traz o lema: “Juventude construindo uma nova sociedade”. Poderíamos nos perguntar: por que incentivarmos ou desafiarmos os jovens para a construção de uma nova sociedade? A sociedade que temos não é boa o bastante para os nossos jovens? 
Sem desmerecer os avanços econômicos e os programas sociais que possibilitaram a inclusão social de muitas famílias, temos um longo caminho a percorrer, para conseguirmos mudanças que favoreçam a construção de uma sociedade pacificada e democrática na qual os direitos e deveres façam parte da vida de todos os cidadãos. Entre as conquistas sociais, que beneficiaram os jovens, podemos destacar o aumento de oferta de vagas no ensino superior e técnico, nas instituições públicas, lembrando que a escola é a grande porta que abre novos horizontes e prepara os jovens para a vida profissional e o futuro.
Mas, em nossa sociedade, a violência tem tirado o sorriso, o sonho e a vida de muitos jovens. É uma das parcelas da sociedade mais agredida e por isso muitas vezes tem demonstrado pouca confiança nas instituições que deveriam proteger a vida e zelar pela paz social. A paz parece ser desejada por todos, porque a ausência dela fere de forma direta ou indireta toda a sociedade. Porém, não podemos esquecer que, se viver em paz é um desejo, construir a paz se aprende.
O Papa Francisco nos lembra que, “o anseio de uma vida plena contém uma aspiração irreprimível de fraternidade, impelindo à comunhão com os outros, em quem não encontramos inimigos ou concorrentes, mas irmãos que devemos acolher e abraçar”. Ao longo da história, os jovens souberam ser os grandes protagonistas da sociedade e das instituições, pela ousadia e por levar no coração sonhos e esperanças em relação ao amanhã.
Não roubemos os sonhos dos nossos jovens, mas saibamos olhar a realidade da nossa juventude com o olhar da ternura e da misericórdia de Deus para que possam cultivar no coração a esperança em relação à vida no presente e para o futuro.
Dom José Gislon

Bispo da diocese de Erexim
Anterior Proxima Página inicial