Postagem em destaque

Profissão Solene do Ir. Lima

No dia 5 de Agosto final de semana passado o nosso caro Ir. Lima deu seu sim definitivo na sua profissão solene, ao passo que o terceiro do...

Follow by Email

Inicio » » A Ressurreição de Jesus

A Ressurreição de Jesus

5 de abril de 2015

No começo, os discípulos ficaram decepcionados e voltaram para a vida de antes porque acharam que tudo havia acabado com a morte de Jesus. “Ele lhes perguntou: ‘Sobre o que vocês estão discutindo enquanto caminham?’ Eles pararam, com os rostos entristecidos” (Lc 24,17).
Mas, felizmente segundo os dados da Tradição, o ideal de Jesus continuou providencialmente para assim dar início à Igreja, com base histórica e escatológica, desta maneira foi vencido o problema da compreensão do significado da Cruz (Recomendo ler o livro: Atos dos apóstolos).
Porventura, as testemunhas da Ressurreição serão a base e o centro de todo o NT: “Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas” (At 2,32). Não esqueçamos que existiram dúvidas, temores, burlas e ainda assim os discípulos demonstraram coragem até dar a vida.
Com efeito, diante das testemunhas pascais existem duas posturas referentes aos relatos: uma kerigmática e a outra histórica, a primeira é mais confessional, a sua vez compõe os relatos mais antigos: “e Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!” (Jo 20,28). Seguidamente temos as histórias pascais, as comidas do Ressuscitado, os encontros, o sepulcro vazio (Mc 16,1-8; Lc 24,13-43; Jo 20,19-29), todos estes textos indicam que não é a ressurreição uma atividade redacional dos evangelistas.
Evidentemente nos relatos foram utilizados dados históricos, porventura não se podia manter a fé na ressurreição se não fosse um fato[1], consequentemente, são Paulo enfatizará muito o valor das testemunhas dizendo: “mais tarde apareceu a Tiago, e a todos os apóstolos. E, depois de todos, apareceu igualmente a mim, como a um que nasceu fora do tempo” (1Cor 15,7-8); e ainda mais valorizará o Apóstolo expressando: “e, se não há ressurreição de mortos, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé” (1Cor 15,13-14).
Em resumo é impossível harmonizar as tendências, mas concordam presumivelmente que Jesus apareceu se mostrando vivo e ressuscitado.
Diante dessas constatações não se pode separar o conteúdo e a forma, porque a realidade da ressurreição é inseparável da testemunha, assim a ressurreição não é somente algo do passado, é também atual.
Convido a aprofundar os seguintes textos:
·        Mateus 28,1-10
·        Marcos 16,1-20
·        Lucas 24,1-12
·        João 20,1-31
·        1 Coríntios 15,1-11
·        1 Coríntios 15,12-28
Feliz Páscoa a todos!
Por:








referências bibliográficas
- Kasper, Walter, Jesús el Cristo. Salamanca: Sal Terrae, 2013. p. 151-196.
- Sagrada Escritura, edição católica.



[1] Cf. H. Von Campenhausen, 1958.
Anterior Proxima Página inicial