Postagem em destaque

Ação evangelizadora no Brasil

No Brasil, a Igreja agora se orienta para novas frentes de implementação do anúncio querigmático do Evangelho. A Conferência Nacional dos...

Follow by Email

Inicio » » O sacramento da Unção dos Enfermos

O sacramento da Unção dos Enfermos

20 de setembro de 2014

O sacramento da Unção dos Enfermos é uns dos setes sacramentos da Igreja católica. É um ato litúrgico comunitário, pelo qual o presbítero unge com o óleo abençoado a uma pessoa que se encontra doente, em idade avançada ou em perigo de morte. Com este sacramento se procura uma graça especial para reconforto, fortaleza e encontro com Deus. A Igreja tem em conta a Unção dos Enfermos como algo instituído por Cristo, segundo o NT, ensinou a seus discípulos de seu ministério de compaixão e cura.
À luz do Vaticano II (cf SC 73), a Constituição Apostólica “Sacram Unctionem Infirmorum”, estabeleceu que, no rito romano, se estipulará que o Sacramento da UE se oferecerá aos doentes graves ungindo-os na fronte e nas mãos com azeite necessariamente abençoado ou, de acordo com as realidades pastorais, com outro aceite vegetal.
Origem da unção dos enfermos
Nos evangelhos é observado como Cristo demonstrou grande amor pelos doentes (Mt 12,15; Jn 5,14-15; Lc 5,31; Mt 4,23). Assim, os discípulos aprenderam do Mestre a ter atenção pelos enfermos, “... e ungindo com óleo a muitos enfermos os curavam” (Mc 6,13); “... colocaram as mãos sobre os enfermos, e estes se encontraram bem” (Mc 16,18). Em definitivo, as curas e contatos de Jesus e os discípulos com os enfermos fazem parte da proclamação do Reino de Deus.
O texto de Tiago 5,14-15
A sanidade física e espiritual no NT é importante sinal da salvação iniciada por Cristo. A cura é um fato de amor e cuidado de Deus para seus crentes tal qual Tiago diz:
14 Entre vocês há alguém que está doente? Que ele mande chamar os presbíteros da igreja, para que estes orem sobre ele e o unjam com óleo, em nome do Senhor[1].15 A oração feita com fé curará o doente; o Senhor o salvará[2]. E, se houver cometido pecados, ele será perdoado. (A Biblia-Traducão Ecuménica, p. 2376)
Propriamente nos vv.14-15 fala de uma função encarregada aos apóstolos, Tiago depois traspassa aos presbíteros (e bispos) que fazem parte dos diferentes ministérios da comunidade cristã. Não havia graus de hierarquia na Igreja nascente. Em definitivo, a oração de fé é aquela que nasce da fé, dos anciãos, da comunidade e ao próprio doente.

“Salvar ao enfermo” é, evidentemente, “curar-lhe”, não somente no corpo físico, da mesma maneira no seu espírito, movendo-o ao perdão dos pecados e à fé em Jesus Cristo.
Significado do óleo
Na UE, o óleo é usado recordando seu significado lenitivo. O significado para a Igreja é Cristo que associa nossas dores às suas, é Ele que conforta as dores. É Cristo que fortalece ao cristão, associando-o à cruz e ressurreição. Assim a doença tem um valor salvífico.
Ministros do sacramento
Deve ser administrado por sacerdotes, segundo o CIC de 1003[3], são os únicos ministros que podem administrar este sacramento. Porém, se pede à comunidade acompanhar o enfermo no momento difícil da vida.
Mudança da denominação
A Unção dos Enfermos se denominava antes como “Extrema unção”, porque era dado “in articulo mortis” ou “in extremis”, em outras palavras, diante da iminência da morte. Porém, por uma questão de dar melhor entendimento ao sacramento, foi mudada a denominação para dar valor ao seu verdadeiro significado. Não é um sacramento para morrer, de fato, é um sacramento para os vivos.
Quantas vezes o sacramento pode ser recebido?
Não tem limite. Todas as vezes que sejam necessárias, sempre que o cristão esteja em estado grave. Assim vemos que toda a intenção é pedir uma graça especial que não tem limites, para afrontar as dificuldades de uma enfermidade ou na idade avançada.
Efeitos do sacramento
Esta dimensão pode ser aprofundada a partir do Catecismo da Igreja (1520-1532), mas pode ser observado em 1532 que diz o seguinte:
 A graça especial do sacramento da Unção dos Enfermos tem como efeitos:
 a união do doente à paixão de Cristo, para o seu bem e para o de toda a Igreja;
–  o conforto, a paz e a coragem para suportar cristamente os sofrimentos da doença ou da velhice;
–  o perdão dos pecados, se o doente não pôde obtê-lo pelo sacramento da Penitência;
–  o restabelecimento da saúde, se tal for conveniente para a salvação espiritual;
–  a preparação para a passagem para vida eterna.

Em sínteses, o sacramento da Unção dos Enfermos é sinal manifesto da redenção do homem, ela continua a tornar presente o mistério Pascal de Cristo. Do mesmo modo a Igreja (comunidade) faz-se presente junto ao doente, auxiliando-o com sua oração. Então o doente é sinal da Igreja, que toma parte no sofrimento e glorificação de Cristo.
Por:
Contato: cristosj@hotmail.com


[1]A tradição católica, tal como é afirmada pelo concilio de Trento (sessão XIV), vincula a esse texto o sacramento da unção dos enfermos. Nota, TEB, p. 2376.
[2]O verboswxw (sôzo)salvar pode significar o restabelecimento do doente.
[3]Can. 1003 - § 1. Unctioneminfirmorum valide administrat omniset solus sacerdos.
Anterior Proxima Página inicial