Inicio » » Artigo: Vitamina Espiritual

Artigo: Vitamina Espiritual

2 de julho de 2014

Assim como por recomendação médica por vezes precisamos tomar vitaminas que, dentre outras coisas, nos ajudam a ficarmos imunes às doenças, assim também precisamos (E como precisamos!) das vitaminas espirituais que, por assim dizer, são capazes de proteger e fortalecer o nosso espírito no combate do dia a dia.
Explico-me: nossa alma necessita das bênçãos de Deus através dos sacramentos e de práticas religiosas no “elevar a mente a Deus”. Não fiquemos com medo de tomá-las. Quanto mais, melhor! Não tem contra indicações.
Em nosso meio vemos certa inquietação, sobretudo nos jovens, com as suas aparências físicas, ou seja, se seus corpos estão adequados aos padrões de beleza do momento. Uma preocupação até sana, se isso ocorre com um acompanhamento profissional adequado. O que acontece é que por vezes nos esquecemos de ter essa mesma abordagem no que tange à nossa alma, - e não raras vezes esquecemos que temos uma - por isso, um enfoque ao tema faz-se necessário. Vamos lá irmãos! Tomemo-nos posse desses suplementos espirituais tão fartos que temos à nossa disposição oferecidos por Nosso Senhor através de sua Igreja, sobretudo os sacramentos, que ouso dizer, se assemelham a um “Red Bull” espiritual.
Ademais, um espírito forte, evidentemente, tem um êxito melhor no combate contra os espíritos inimigos da nossa salvação no furor de sua ira contra nós, como diz o Sl 123: “Nossa alma como um pássaro escapou do laço que lhe armara o Caçador”. A nossa alma só irá conseguir escapar desse “laço” se estiver nutrida e forte. E como ele investe contra nós! Nem somos capazes de imaginar o quanto, nos dizem os santos.
No alvoroço de nossos dias, não raramente, nos esquecemos de rezar uns pelos outros, a exemplo dos primeiros cristãos, porém queremos e gostamos sim de que os outros rezem por nós. Ouvimos pedidos em vários lugares para que o padre, o irmão, o religioso, o seminarista reze por mim, por minha família ou para que eu consiga bons êxitos nos estudos, para que consiga isso ou aquilo. Sim, são pedidos legítimos e apreciáveis que nos chegam, porém, às vezes, não agimos de imediato dizendo, por exemplo: “Ok! Vou rezar, mas será agora e juntos”. É bom rezar, e rezar logo, sem medo, há força na oração feita em família ou em grupo. Dessa forma nossa oração seria mais forte e de maneira presencial e numa entrega espiritual mútua. Isso deveria ser uma coisa normal entre nós. E mais: ninguém irá se escandalizar em ver um padre e um fiel, um religioso, um jovem ou dois fiéis rezando juntos, ninguém irá se indignar em ver isso, assim, acredito, a oração tem muito mais eficácia e poder.
Deixemo-nos, portanto, nos tonificar por essas nutritivas vitaminas que só tem a nos proporcionar energia, resistência e vitalidade espiritual para seguirmos em frente na caminhada. Assim, não possibilitamos uma debilidade da alma, ou como Santo Antônio Maria Zaccaria chamava: a tibieza espiritual; essa tão presente em nosso mundo e que se mostra como um grande desafio a ser superado.
Por:
Anterior Proxima Página inicial