Postagem em destaque

Ação evangelizadora no Brasil

No Brasil, a Igreja agora se orienta para novas frentes de implementação do anúncio querigmático do Evangelho. A Conferência Nacional dos...

Follow by Email

Inicio » » O Apóstolo São Paulo e Santo Antônio Maria Zaccaria

O Apóstolo São Paulo e Santo Antônio Maria Zaccaria

3 de outubro de 2013

Paulo, apóstolo fiel a Cristo Crucificado e Ressuscitado, foi o inspirador de Santo Antônio Maria Zaccaria ao começar sua obra em 1533. Os dois têm algo em comum: a forma de escrever. Isto pode se afirmar comparando as cartas paulinas e os sermões zaccarianos onde podemos encontrar certa semelhança na forma e estilo de escrever. Ambos conheceram profundamente a Escritura: no caso de Paulo a Toráh e Antônio Maria o A.T. e N.T.
O quadro abaixo nos ajudará a perceber como os dois harmonizam a Escritura atualizando a partir da experiência do Cristo Crucificado. Comparemos a carta de Paulo aos Romanos 10, 14-21 e o Sermão 3 (20306) de Antônio Maria Zaccaria.

Romanos 10, 14-21
Sermão 3
Mas como poderiam invocar aquele em quem não creram? E como poderiam crer naquele que não ouviram? E como poderiam ouvir sem pregador? E como podem pregar se não forem enviados? (Êx.19,2-9). Conforme está escrito: quão maravilhosos os pés dos que anunciam boas noticias (Is. 52,7). Mas não obedeceram ao Evangelho. Diz, com efeito, Isaias: Senhor, quem acreditou em nossa pregação? (Is. 53,1). Pois a fé vem da pregação e a pregação é pela palavra de Cristo. Ora, eu digo: será que eles não ouviram?(Is. 52, 13-15). Entretanto, pela terra inteira correu sua voz, até os confins do mundo as suas palavras (Sl. 19,3-4). Mas, eu pergunto: Israel não teria entendido? Moises já dizia: Eu vos enciumarei de um povo que não é povo; contra um povo sem inteligência, excitarei vossa ira (Dt.32,21). E Isaias ousa até dizer: Fui encontrado por aqueles que não me procuram; tornei-me visível aos que não perguntam por mim (Is.65,1). E a Israel diz: O dia todo estendi as mãos a um povo desobediente e rebelde (Is.65,2)
20306. E, se para você isto não é suficiente, veja só de quantos perigos ele o salvou, com quantos bens Ele o conservou e de quantos modos Ele o enriqueceu. Lembre se de como ele libertou o povo de Israel da escravidão do Egito (Êx.14,1ss), de como tirou o mesmo povo da escravidão de Nabucodonosor (Esd.2,1); de como arrancou Lot das mãos dos inimigos (Gn.14,16) e do fogo das cinco cidades submersas (Gn.19,14). Ele salvou Abraão do rei Abimeleque (Gn.29,1ss); livrou Jacó de seu irmão Esaú, durante o sono (Gn.33,1ss); fez o rei Davi ganhar de Saul muitas vezes (1Sm.18,11/19,10ss)

Por: Isaac Segovia, aspirante barnabita da comunidade de Belo Horizonte (MG).
Anterior Proxima Página inicial